Morte na Panela

Tema: MORTE NA PANELA – Texto/ base: II Reis 4:38 a 41 *por Ismael Silva

Do que você tem se alimentado? Pepinos do diabo ou da farinha de Jeovah? – A bíblia nos relata um incidente histórico ocorrido durante o ministério de Eliseu. Este tinha uma escola de profetas onde dava treinamentos. Deste texto extraímos algumas lições importantes: I – A primeira lição que aprendemos aqui é que profeta precisa ser treinado, ensinado e discipulado. É preciso crescer não apenas na graça, mas também no conhecimento principalmente para aprender a discernir aquilo que é nocivo para as nossas almas. Este treinamento serve entre outras coisas para aprendermos a administrar problemas e dificuldades. 1º dificuldade: Havia uma grande fome na terra – eles estavam passando por uma grande crise e muita dificuldade; Quem disse que profeta também não tem problemas ou não passa por dificuldades? Jesus nos advertiu dizendo: “No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”. Esta crise ainda continua, mas não é uma fome de pão e água mas da palavra de Deus (Amós 8:11). Eliseu manda colocar a panela ao lume (no fogo) para preparar o alimento. Espiritualmente isso significa que o nosso coração tem que estar no fogo do espírito, quando a palavra tem unção é muito mais saborosa. 2º dificuldade: Onde encontrar comida? Ao invés de pegar da comida que estava na dispensa o aprendiz de profeta preferiu ir buscar comida no campo. Há uma proposta melhor e muito mais saudável na dispensa de Deus que é a BÍBLIA SAGRADA; Entretanto muitos preferem buscar solução “lá fora” no mundo, nas filosofias falidas, nas propostas de pessoas descomprometidas com as verdades de Deus, nas teorias humanas e falhas. II – A segunda lição é que “alimento do mundo não serve para crente” – Ele se confunde e não consegue discernir a planta e acaba trazendo pra dentro de casa colocíntidas “pepinos envenenados” corta-os e joga-os na panela. Veja os resultados de escolha errada. 1º – O segredo é clamar – Quando perceberam a desgraça e se viram diante da morte, gritaram “Homem de Deus! há morte na panela”. Quando clamaram foram socorridos a tempo, Deus sempre ouve as nossas orações! 2º – São inúmeras as pessoas que desprovidas do espírito de dicernimento tem levado para dentro de suas casas “ervas venenosas” comprometendo os demais membros da família. Esses pepinos envenenados têm resultados em ressentimentos, falta de confiança, ciúmes, inveja, desobediência, adultério, maledicência, cobiça, desapontamentos, desânimo, doenças emocionais, etc. Permita-me aqui fazer pelo menos três considerações: III – Nunca é tarde para reparar o erro. Eles reconheceram que estavam envenenados. É muito pior quando a pessoa sabe que está errado ou envenenado e insiste em conviver com o pecado! 1º) Eles apelaram para a pessoa certa: O homem de Deus que pode ajudá-lo chama-se Jesus Cristo, ele tem o alimento certo para a sua alma, ele pode livrá-lo da morte, realizar uma transformação em seu interior e lhe dar certeza de vida eterna. Veja a declaração de Pedro acerca de Jesus: “para onde iremos nós, só tú tens a palavra de vida eterna”. 2º) Eles receberam o alimento certo: Eliseu misturou farinha na panela e o veneno foi eliminado. Veja que interessante: ele não retirou as ervas da panela até porque eles já tinham comido dos pepinos envenenados, apenas acrescentou a farinha e essa mistura neutralizou o efeito. Como entender isso? A – Aquilo que você já ouviu mesmo se tratando de ervas envenenadas, já está dentro de você e não tem como tirar da sua mente, mas você pode neutralizar os efeitos do pecado na sua vida a partir do momento que começa a se alimentar da farinha de Jeovah que é a palavra de Deus. B – Somos vivificados pela palavra, libertos da morte pela palavra e nada substitui o poder da palavra de Deus nas nossas vidas. “Não serão envergonhados no dia do mal e nos dias da fome se fartarão” (Salmo 37:19) Pois, toda a palavra é apta para ensinar, redarguir e instruir em justiça. Conclusão: O mundo está cheio de ervas venenosas mas com Deus você tem acesso à videira verdadeira, aos pastos verdejantes, ao azeite do céu e principalmente à farinha de trigo elemento principal do pão que desceu do céu.