Dígno é o cordeiro

Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor abundante a nossa colheita. “Os que semeiam em lágrimas, com cânticos de júbilo segarão. Aquele que sai chorando, levando a semente para semear, voltará com cânticos de júbilo, trazendo consigo os seus molhos” (Sl 126.5,6).
Este cântico de júbilo já está fluindo de nossos lábios: “Digno é o Cordeiro”. João registrou profeticamente a nossa adoração: E cantavam um cântico novo, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, e língua, e povo e nação” (Ap 5.9). Cremos, segundo a Palavra de Deus, que as nossas famílias foram compradas por um alto preço e que pela fé estão arroladas a este glorioso plano de redenção. O diabo não tem nenhum direito sobre os nossos descendentes. Nós temos a bênção da primogenitura sobre as nossas cabeças e tudo aquilo que em nós é gerado, física ou espiritualmente, tem o direito de liberdade em Cristo. Miriã cantou do outro lado do mar, depois de ver o inimigo se afundar no meio das águas, mas nós cantaremos antes mesmo de ver, porque decidimos viver além do que é visível. Nós confiamos em Deus e por isso liberamos sobre todos os nossos inimigos um grito de júbilo e vitória. Por isso, “não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, venceu!”. Ele é o Cordeiro que tira o pecado do mundo, mas também é o Leão da Tribo de Judá que reina sobre todos. Nele, a nossa vitória está garantida.